Cadastre-se Tabela Shoptrans
Principal / Notícias / Transporte de produtos perigosos: Novas regras entram em vigor esse mês e sofreram alterações em relação a original. 01/12/2017 Transporte de produtos perigosos: Novas regras entram em vigor esse mês e sofreram alterações em relação a original.  

Através de audiência pública foram acatadas contribuições que resultaram em nova redação de alguns artigos da nova resolução.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) submeteu à audiência pública uma proposta de resolução que teve como objetivos a divulgação e a obtenção de contribuições e sugestões para o aprimoramento da minuta de resolução que altera a Resolução 5.232, de 14 de dezembro de 2016, que aprova as instruções complementares ao regulamento terrestre do transporte de produtos perigosos e dá outras providências.

O processo recebeu cerca de 96 contribuições, sendo 18 em sessão presencial e 74 por escrito.

O SETCERGS, através de sua assessoria técnica para o transporte de cargas perigosas, também colaborou enviando contribuições por meio eletrônico e participando dessa sessão presencial.

A conclusão do processo de audiência pública consta do relatório final da Audiência Pública 012/2017, disponibilizado no site da ANTT.

A seguir, destacamos os pontos relevantes que constam da Resolução 5.581, de 22 de novembro de 2017, que altera a Resolução 5.232/2016 e seus anexos.

Resolução ANTT 5.581/2017

Foi acrescentado o §2º ao art. 1º da Resolução 5.232/2016:

§2º Os procedimentos de certificação de embalagens e equipamentos de transporte estabelecidos nas portarias do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) com base nos critérios previstos no anexo da Resolução 420/2004, incluindo os prazos de ensaios e as inspeções periódicas, continuam válidos e aplicáveis por um período de até 18 meses após o prazo estabelecido no caput. (NR)

Os critérios de homologação para o transporte terrestre serão os mesmos da Resolução 420/2004 até que o Inmetro revise suas portarias para atender as disposições estabelecidas na Resolução 5.232/2016 e suas atualizações. Foi dado o prazo de 18 meses para essa adequação.

Aplicável: Embarcador.

Parte 1

Nova redação do item 1.1.1.3.4:

1.1.1.3.4 A partir de 1º de julho de 2019, embalagens, embalagens grandes, contentores intermediários para granéis (IBCs) e tanques portáteis fabricados no Brasil e homologados pelas autoridades brasileiras competentes dos modais aéreo ou marítimo passam a ser aceitos para o transporte terrestre no país, observados os prazos das inspeções periódicas dos IBCs e tanques portáteis estabelecidos neste Regulamento. (...)

Essa alteração trará grande impacto aos embarcadores de produtos classificados como perigosos para o transporte, pois as empresas que, nesse período, compraram embalagens homologadas sem a marcação de homologação do Inmetro não poderão utilizá-las para o transporte terrestre de produtos e as empresas que têm produtos já envasados nessas embalagens terão que trocá-las, pois não serão aceitas para o transporte terrestre caso não tenham destino ou origem portos ou aeroportos.

Aplicável: Embarcador, transportador e armazenador.

Parte 2

Foi incluído o item 2.4.2.5 referente à subclasse de risco 4.1 – substâncias polimerizantes e misturas (estabilizadas).

A ANTT entendeu ser importante atender o setor regulado também no aprimoramento da Resolução 5.232/2016, incluindo definições e propriedades das substâncias polimerizantes da subclasse de risco 4.1.

Item 2.9.2 – classificação da classe 9.

Retificada a descrição da ONU 3509, que deve constar no documento fiscal:

3509 EMBALAGENS, VAZIAS, NÃO LIMPAS (...)

Importante destacar que, no parêntese, deve(m) constar a(s) classe(s) ou subclasse(s) do(s) produto(s) perigoso(s) carregado(s) no veículo.

Aplicável: Embarcador

Parte 3

Foram incluídos os itens 3.5.6 e 3.5.7:

3.5.6 Embalagens vazias e não limpas podem ser acondicionadas em embalagens externas que não portem a marca da conformidade ou em sobreembalagens, desde que tal volume porte o rótulo de risco da classe 9, o nome apropriado para embarque e o número da Organização das Nações Unidas (ONU), precedido das letras ONU ou UN, referente ao número ONU 3509.

Refere-se à embalagem que não tem como ser fechada após o uso, como a sacaria, e que será transportada como embalagem vazia e não limpa.

3.5.7 Em carregamentos compostos exclusivamente por embalagens cheias e embalagens vazias e não limpas que contiveram os mesmos produtos perigosos (mesmo número ONU) contidos nas embalagens cheias, a sinalização do veículo deve corresponder somente às embalagens cheias, permanecendo necessárias, na documentação de expedição, as informações referentes tanto às embalagens cheias como às embalagens vazias e não limpas.

No caso, o entendimento deve ser o de manter a sinalização do veículo considerando as informações das embalagens cheias quando contiverem o mesmo produto perigoso.

Aplicável: Embarcador, transportador e armazenador.

Parte 4

Alterada a redação do item 4.1.2.1, que, originalmente, proibia o transporte de líquidos inflamáveis com ponto de fulgor inferior a 37,8 ºC em IBCs de plástico rígido e IBCs compostos para líquidos, ficando o texto final conforme abaixo:

4.1.2.1.1 Os fabricantes de IBCs de que trata o item 4.1.2.1 deverão submeter seus produtos a processo de avaliação da conformidade regulamentado pelo Inmetro com base em norma técnica específica quanto à observância das providências necessárias para evitar descargas eletrostáticas perigosas dos líquidos inflamáveis citados no item anterior.

4.1.2.1.2 A certificação será exigida no prazo de 12 meses contados a partir da exigência de cumprimento desta Resolução.

4.1.2.1.3 Até que se exija a certificação do item anterior, o fabricante, o envasador, o embarcador e o transportador são responsáveis solidariamente pela adoção das providências necessárias para evitar descargas eletrostáticas perigosas dos líquidos inflamáveis durante a operação de transporte, cabendo ao envasador emitir declaração que deve acompanhar a expedição, atestando a segurança e a adequação do IBC composto ao produto transportado com base em análise de risco realizada ou estudos que indiquem a compatibilidade do produto ao IBC em questão.

Destaque para a declaração que deverá acompanhar a expedição, pois, apesar de não constar no regulamento, a falta desse documento sujeita o embarcador e o transportador a penalizações.

Para atender à questão do item 4.1.2.1.1, foi constituído um grupo de trabalho relacionado ao Comitê Brasileiro de Embalagem e Acondicionamento (ABNT/CB-23) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) a fim de elaborar um texto base para uma norma técnica de modo a estabelecer os critérios para evitar descargas eletrostáticas perigosas dos líquidos inflamáveis e de como fazer a análise de risco para atestar a segurança e a adequação do IBC composto ao produto indicado, assim como a compatibilidade do produto ao IBC em questão durante as operações de transporte e, consequentemente, de armazenamento.

Nova redação para provisões especiais para embalagem: P001 instruções para embalagem (líquidos):

PP1 Para os números ONU 1133, 1210, 1263 e 1866, e para adesivos, tinta para impressão, material relacionado com tinta para impressão, tinta, materiais relacionados com tinta e soluções de resinas que são alocados ao número ONU 3082, as embalagens para substâncias dos grupos de embalagem II e III, em quantidades de até 5 litros por embalagem metálica ou plástica e em quantidades de até 20 litros por embalagem metálica ou plástica de códigos UN 1A2 ou 1H2, são dispensadas de atender aos padrões de desempenho do capítulo 6.1 quando transportadas: (...)

Apesar de não fazer parte do objeto dessa audiência pública, o assunto foi considerado pela ANTT e o texto da provisão especial foi alterado, tornando a dispensa para embalagens metálicas ou plásticas de até 20 litros aplicada até 30 de junho de 2018.

Aplicável: Embarcador, transportador e armazenador.

Parte 5

Nova redação do cofre de carga:

Conforme publicado no anexo da Resolução 5.232/2016, o cofre de carga, quando utilizado para transportar produtos perigosos, deveria portar os mesmos rótulos de risco aplicados às embalagens que estivessem acondicionando. Após muita discussão, a ANTT entendeu que a sinalização do cofre de carga é imprescindível e decidiu deixar o texto da seguinte forma:

5.2.2.1.1.1 Cofres de cargas utilizados para o transporte de produtos perigosos devem portar, em uma das faces ou na tampa, painel de segurança idêntico ao utilizado no veículo ou equipamento de transporte.

Modelo de rótulo de risco:

Alterado modelo de rótulo de risco para classe 9, modelo 9A para embalagens e volumes. Os veículos continuam usando o modelo 9.

Autoria: SETCERGS

Busca OK Carregando...
Arquivo de Notícias 2018   20182017201620152014201320122011201020092008 Abril   JaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro OK Carregando...
Categorias ArtigoAUTOPEÇASCaminhõesCombustíveisEconomiaEDITORIALEstradasImplementos RodoviáriosInformativosLOGÍSTICAMercadoMontadoraÔnibusOPINIÃOPORTOSTecnologiaTRÂNSITO
Tamanho da Fonte    
Publicidade Publicidade
Últimas Notícias   21.04 Ônibus Venda para o Peru amplia participação da IVECO BUS na América Latina.   21.04 Mercado Ford lança nos EUA serviço de transporte médico não emergencial com vans.   21.04 Caminhões Volkswagen apoia TB Forte em sua expansão nacional.   21.04 Mercado Helimarte Taxi Aéreo completa 19 anos com 50 mil voos realizados no Brasil.   21.04 Caminhões Rio Grande do Sul aprova projeto de lei que combate o roubo de cargas. Ver Mais Mais Lidas 1 Exame toxicológico para motoristas tem novas regras a partir de hoje. 2 Exame toxicológico para motoristas profissionais: A partir de hoje é obrigatório informar o Ministério do Trabalho. 3 Petrobrás anuncia nova redução nos preços dos combustíveis a partir de amanhã (25). 4 Honeywell anuncia Turbos Garret de geometria variável de terceira geração no Brasil 5 Transporte de produtos perigosos: Novas regras entram em vigor esse mês e sofreram alterações em relação a original. Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade
ClassificadosCaminhõesImplementos RodoviáriosLINSHALM BAÚS ZEROLogística Caminhões / Toco MB Atego 1518 Toco Baú 8 mts R$ 110.000,00 Caminhões / Utilitários Hyundai HR Baú R$ 55.000,00 Implementos Rodoviários / Carretas RELAÇÃO DE BITRENS E CARRETAS A VENDA - CLICK NA IMAGEM E VISUALIZE A RELAÇÃO COMPLETA R$ 1,00 Caminhões / Utilitários VENDO VW9150 2009 R$ 67.000,00 Implementos Rodoviários / Baús BAÚ CARGA SECA SEMI-NOVO SOBRE CHASSI COM 8,80m DE COMPRIMENTO e 2,60m ALTURA. R$ 23.000,00 Caminhões / Cavalo Mecânico SCANI P340 4X2 ANO 2009 R$ 158.000,00
Newsletter Receba notícias e ofertas por e-mail
  NotíciasArtigoAUTOPEÇASCaminhõesCombustíveisEconomiaEDITORIALEstradasImplementos RodoviáriosInformativosLOGÍSTICAMercadoMontadoraÔnibusOPINIÃOPORTOSTecnologiaTRÂNSITO   TV ShopTransCaminhõesInformativosNovidadesTRÂNSITO   EntretenimentoDicas   ClassificadosCaminhõesImplementos RodoviáriosLINSHALM BAÚS ZEROLogística   Anuncie Tabela de Valores Cadastre-se Área Restrita Contato (54) 3229-6697 © 2018 Todos os direitos reservados para Shoptrans. Layout e Programação desenvolvidos por DROP.